Comentário do Domingo: Sagrada Família

29 de Dezembro de 2019. Sagrada Família (Mt 2, 13-15.19-23):

Uma mulher jovem e solteira. Que dispunha de escassos meios económicos. Estava prometida em casamento, mas ficou grávida de outro, que não era o seu namorado. Se a sua situação se tornasse pública, seria condenada a morrer lapidada.
Eram péssimas circunstâncias, para quem decidira iniciar uma nova família.
Teria ela capacidade para tomar qualquer decisão? Que deveria fazer?
Ela tem o nome de Maria. É uma jovem forte. Sabe-se amada pelo seu noivo e está disposta a aceitar o que vier a acontecer. Juntos, ambos conseguirão dar corpo a uma família: a Sagrada Família. Isto, porque não foram egoístas. E idealizaram algo de sublime, que os ultrapassava. Cederam livre passagem à Palavra de Deus, apesar das imensas dificuldades, que posteriormente sobrevieram. Porque se fiaram na palavra dada.
O filho concretizará o sonho dos seus pais. E estes constituirão um motivo de orgulho para o filho.
Para nós, concretizaram o plano da salvação. É tudo consequência do Natal.
Muito me agradaria se estas palavras se convertessem numa aragem de esperança e de otimismo, de decisão e de compromisso, para todas as mulheres que vivem Desejo votos de parabéns a quantos fazem parte de uma família, onde mutuamente todos se ajudam e amam!
Juan Ramón Gómez Pascual, cmf

0

Start typing and press Enter to search