Comentário do Domingo: 11 de Setembro

Lucas 15, 1-10:
Domingo, 11 de Setembro de 2022 (24º T O C)

“O castigo de Deus”, “Se o fizeres…, Deus castigar-te-á”. Ainda há pessoas que pensam assim, e dizem estas coisas. E nada está mais longe do coração de Deus. É possível que uma tal mentalidade de “Deus castigador” prevaleça. É uma consequência da mentalidade do povo judeu no Antigo Testamento. Mas quando Jesus veio, mostrou-nos a verdadeira imagem de Deus Pai. Se Deus intervém na vida das pessoas, é para ir ao seu encontro, para mostrar a sua proximidade, para oferecer perdão. Nunca os ameaçando com castigo; esta é uma mentalidade humana. As parábolas da ovelha perdida, da moeda perdida, do filho pródigo, com as quais Jesus nos diz como é o Pai, mostram-nos a grandeza do amor que ele tem por nós, sempre acima do nosso próprio mal. Devemos ser claros sobre esta imagem de Deus para nos voltarmos continuamente para o abraço que Ele nos oferece.
De todas estas parábolas, é talvez a parábola do filho pródigo que melhor conhecemos e na qual mais facilmente nos podemos ver reflectidos, porque mostra a atitude do Pai face ao nosso egoísmo e pecado. Tendemos a ver em nós próprios a atitude do filho pequeno, mas não devemos esquecer a quem a parábola foi dirigida: os homens eruditos e fariseus que murmuraram em Jesus porque ele acolheu os pecadores e comeu com eles. Para aqueles que, como nós, muitas vezes pensam que somos melhores que os outros e têm dificuldade em aceitar o amor de Deus sem condições.
Será que tenho dificuldade em perdoar, será que olho para aqueles que considero “piores do que eu”? Que sejamos capazes de reconhecer a nossa humildade e procurar o amor do Pai.

Juan Ramón Gómez Pascual, cmf

Como olhar para os outros?

 

0

Start typing and press Enter to search